Juazeiro/BA, 27 de maio de 2017


A CIDADE

 

Contextualização Histórica e Geográfica

O município de Juazeiro localiza-se no norte do Estado da Bahia, na microrregião homogênea do Baixo Médio São Francisco, possuindo uma extensão territorial de 6.390 km². Situada na margem direita do rio São Francisco — fator precípuo de sua existência — apresenta um contingente populacional de 197.965 habitantes (IBGE, 2010).

Encravada na região semiárida do Nordeste brasileiro, em pleno polígono das secas, Juazeiro encontra-se em posição privilegiada, num entroncamento rodoferroviário, fluvial e aéreo, distante 504 km da capital, Salvador. Apresenta clima tropical semiárido e vegetação predominantemente de caatinga, destacando-se o imponente juazeiro, que empresta nome à cidade.

 

Seu modelo econômico, desde as décadas de 1970 e 1980, está baseado na agricultura irrigada, que lhe rendeu notoriedade internacional. Entretanto, sua forte vocação econômica — desde os tempos de maior entreposto comercial de todo o vale sanfranciscano, que lhe justificaram o título de empório comercial do sertão — sempre esteve relacionada à excepcional situação locacional.

Com a expansão da pecuária, a interiorização mais contínua da área central baiana foi efetivamente promovida. As rotas das boiadas partiam da então Capital da Colônia e o ramal que seguia para o norte atingia o São Francisco justamente na região que hoje corresponde ao território de Juazeiro (LOPES, 1999).

 

Este povoado estabeleceu-se, consolidou-se apoiado nas atividades comerciais e, em 1833, já constituía a Vila de Nossa Senhora das Grotas de Juazeiro. Em 1878 passa a possuir o título de cidade de Juazeiro, cuja sede chamava a atenção de quem por ali passava.

As suas construções em que se procuram observar certo gosto arquitetônico, a sua nova e boa igreja matriz, o teatro, uma grande praça arborizada, ruas extensas (SAMPAIO, 2002).

 

 

Historicamente caracterizada por um dinamismo constante, seja como antigo entreposto comercial do vale sanfranciscano, seja como celeiro da agricultura irrigada e, mais recentemente como pólo universitário e  o turismo regional (zona turística do Vale do São Francisco) com o turismo do vinho. Juazeiro e seu acervo edificado sempre estiveram sujeitos às típicas pressões ligadas a fatores e ciclos econômicos. Assim, processos de dilapidação — descaracterizações, mutilações, arruinamentos e também demolições, algumas das quais bastante recentes — dos bens patrimoniais, alguns destes, inclusive formalmente reconhecidos como tal, têm sido uma constante.

 

 


X
Logo-Juazeiro-BA-simples

Copyrigth © 2017 Prefeitura Municipal de Juazeiro